Caçula de Pneus - Blog
22abr/140

10 mandamentos para aumentar a durabilidade dos pneus

roda-amortecedor

O pneu exerce uma função importante para o bom desempenho do veículo. Sempre em contato com a pista, ele precisa de certos cuidados para que sua vida útil possa ser prolongada, gerando maior economia para o proprietário do automóvel.

Sabendo como cuidar dos pneus, todas as peças do carro, como os amortecedores e sistema de suspensão, terão sua durabilidade prolongada, além de poder diminuir a quantidade de combustível consumida.

1º mandamento: “Farás o rodízio dos pneus”

Trocar os pneus traseiros com os dianteiros é uma maneira de evitar o desgaste desigual. Para os pneus diagonais, a recomendação é de que sejam trocados a cada 5 mil quilômetros rodados, enquanto os pneus radiais devem ser trocados a cada 8 mil quilômetros.

2º mandamento: “Calibrarás os pneus semanalmente”

Os pneus devem ser calibrados de preferência semanalmente, seguindo sempre as orientações que estão disponíveis no manual do fabricante do veículo. Pneus calibrados economizam, inclusive, o combustível.

3º mandamento: “Farás a manutenção preventiva”

Cuidando de todo o seu veículo, como os amortecedores, freios, molas, rolamentos, rodas e eixos, o efeito atingirá diretamente os pneus.

4º mandamento: “Dirigirás cautelosamente”

Evitar uma direção agressiva é um fator muito importante para que os pneus não sofram desgastes desnecessários. Dirigir dentro dos limites de velocidade, respeitar a sinalização, entre outros fatores, evitam freadas e mudanças de direção bruscas.

5º mandamento: “Cuidarás da suspensão e balanceamento das rodas”

Para cada um desses acontecimentos é recomendado o alinhamento da suspensão e o balanceamento das rodas: após um impacto muito forte, quando a suspensão tiver componentes trocados, os pneus apresentarem desgastes irregulares, quando sentir que o carro está desalinhado, ou ainda a cada dez mil quilômetros.

6º mandamento: “Usarás o pneu ideal”

O uso de um pneu errado pode gastar ainda mais combustível. Por isso, não utilize modelos para usar fora-de-estrada (na terra) ao dirigir na cidade. Além de um maior consumo de combustível, o carro fica instável, prejudicando as demais peças.

7º mandamento: “Não usarás abrasivos ou solventes”

A utilização de produtos que desgastam a borracha provocará danos ao pneu. Em contato com esses componentes químicos, a borracha perde suas principais propriedades mecânicas e físico-químicas.

8º mandamento: “Não sobrecarregarás o pneu”

É muito importante evitar a sobrecarga do pneu. Um peso muito maior do que o indicado pela fabricante pode comprometer seriamente a estrutura do material e causar danos.

9º mandamento: “Obedecerás as recomendações dos fabricantes”

O carro foi projetado para que cada parte possa interagir com o todo de uma maneira equilibrada. Dessa forma, quando você opta por pneus diferentes dos recomendados pelo fabricante do veículo, pode haver um desequilíbrio que coloca em risco a segurança do motorista e seus passageiros.

10º mandamento: “Desapegarás no momento certo”

Observe com frequência o TWI, principal indicador de desgaste da rodagem. Ele está em todos os pneus e mostra qual é o momento certo de efetuar a troca dos antigos por novos. Então, quando for a hora de trocar, procure o máximo de qualidade e consulte os modelos de pneus Pirelli na Caçula de Pneus.

15abr/140

Dicas para viajar no feriado sem trânsito

O feriado é a oportunidade perfeita para quem quer fugir da agitação da cidade. Porém, para chegar no local de descanso é preciso enfrentar algumas horas na estrada - que podem ficar ainda mais longas dependendo do caminho que você escolhe e do horário de partida.

estrada

Para transformar a sua viagem em algo mais prazeroso e seguro, veja as dicas que separamos para que você gaste menos tempo na estrada e aproveite ainda mais o seu passeio no feriado!

Faça a revisão do seu carro

Todo trânsito começa com alguma falha. Seja humana, mecânica ou de planejamento, devemos evitar ao máximo qualquer imprevisto, por isso é importante se certificar de que o seu veículo está em “ordem”. Faça a revisão sem nunca deixar de verificar o motor, a parte elétrica (incluindo as luzes), entre outros. Os pneus são peças fundamentais para o bom desempenho do veículo, por isso opte por modelos como o Scorpion ATR, que oferece ótima performance na estrada.

Viaje em horários alternativos

O ideal para fugir do trânsito é escolher horários em que as pessoas não costumam pegar a estrada. Não dirigir durante a hora do rush já é uma técnica muito comum para evitar ficar parado dentro do carro. Mas vale salientar que também não é aconselhável viajar nos horários em que o sol esteja muito forte ou em que o motorista esteja com muito sono ou sensação de cansaço.

Informe-se sobre as condições das estradas

Sites da internet e aplicativos para smartphones (como Waze, Olho na Estrada e Maplink Rodoviário) trazem informações em tempo real sobre qual é a condição das estradas, facilitando qual caminho escolher ou qual evitar. Eles servem como uma alternativa para quem já utiliza o GPS (instrumento muito utilizado para achar as rotas “mais curtas”, mas que nem sempre significam que o motorista chegará mais rápido).

Qual é o método que você utiliza para viajar com tranquilidade? Escreva nos comentários a sua dica para evitar o trânsito nos feriados prolongados!

18jan/120

Limpeza na volta das férias

Peças metálicas ou mesmo borrachas podem estragar se ficarem
expostas a sujeira e oxidantes

A limpeza é um dos serviços mais importantes a se realizar no veiculo após o retorno das viagens de férias. Segundo especialistas fatores poluentes e oxidantes agridem, além da pintura, vários componentes do seu veiculo. Chuva, sol, maresia, terra, areia e seiva de arvores estragam o verniz.

O ideal é utilizar nas lavagens do veiculo água e sabão neutro. Encerar o veiculo a cada três meses auxilia a conservação.
Atenção a lavagem do veiculo, deve ser enxaguar com bastante água para retirar qualquer resíduo sólido e somente depois passar luva ou pano com sabão, pois partículas sólidas riscam a pintura.

Após rodar em estradas de terra é preciso verificar o estado dos filtros de ar, filtro de óleo e trocar o fluido. Além de fazer a revisão dos freios, pois segundo especialistas se entrar areia entre as pastilhas, discos ou nas lonas, o sistema perderá a eficiência.

Fonte: Jornal do Carro

18/01/2012

27out/110

Cuidado ao abastecer

Combustível batizado não é novidade no Brasil. Mesmo com a fiscalização das autoridades, e também das marcas das bandeiras representadas, muitos empresários e empresas permanecem desafiando a legislação para aumentar a margem de lucro de seus estabelecimentos.

O que isso tem a ver com o consumidor todo mundo sabe, pois é ele quem mais sofre com essa irregularidade. Uma promoção é sempre o atrativo aos motoristas. Alguns centavos a menos aparentam uma boa economia ao final do mês. Só que depois que o veículo apresenta danos no sistema de alimentação e também no motor, a diferença poupada será pequena para arcar com a enorme despesa gerada pelo uso de combustível com substâncias inadequadas ao correto funcionamento do veículo.

Caso note que ao abastecer em determinado posto de combustível o comportamento de seu carro apresenta irregularidade no desempenho, leve o veículo a uma oficina para análise do mecânico. Se for necessário ele retirará todo o combustível irregular, providenciará a revisão do sistema de alimentação e dos componentes necessários para que o veículo não sofra maiores problemas. Sempre que estiver na dúvida faça uma revisão.

Os especialistas, e a Caçula de Pneus recomendam que o consumidor sempre fique atento e tome cuidado ao escolher o local de abastecimento. Veja as principais dicas:

  • Desconfie sempre de preços e promoções onde o valor do litro está muito baixo.
  • Pedir o teste de autenticidade do combustível é direito seu e dever do posto.
  • Abastecer sempre no mesmo local.
  • Verifique se o estabelecimento possui lacres eletrônicos instalados nos bocais dos reservatórios de combustível.
  • Se notar irregularidade com o veículo após o abastecimento vá a uma oficina fazer a revisão do sistema de alimentação.
  • Guarde sempre o comprovante de pagamento, ele servirá para a eventualidade de comprovação para ressarcimento de seu prejuízo
  • O consumidor pode denunciar a irregularidade do estabelecimento através do telefone da ANP: 0800 970 0267.
26out/110

Quando trocar o amortecedor?

O amortecedor é um componente do sistema de suspensão que tem a função de “amortecer” a energia absorvida pelas molas após as rodas receberem impactos originados da irregularidade do solo.

Eles limitam o movimento da suspensão do veículo, seja para cima ou para baixo, evitando que a carroceria do veículo receba o impacto e seja jogada para cima, como também que o pneu sempre fique em contato com o piso.

Se o veículo estiver “pulando”, perdendo o contato com o chão é o principal sintoma que identifica um amortecedor danificado. Em geral os amortecedores se desgastam em conjunto, e sua substituição é recomendada ao menos em dupla, ou seja, trocar os dois traseiros e/ou os dois dianteiros.

A permanência do veículo com o equipamento danificado deixa o veiculo sem estabilidade e o motorista pode a qualquer momento perder a trajetória em sua condução.

Além de comprometer a integridade física dos ocupantes, e eventualmente causar um acidente também a terceiros, o amortecedor danificado pode causar desgaste prematuro de outros componentes da suspensão, inclusive dos pneus.

A  Caçula de Pneus dá algumas dicas:

  • Não negligencie com a segurança, fique atento com os amortecedores e o sistema de suspensão de seu veículo.
  • Normalmente a vida útil do amortecedor atinge 40.000km período que se deve parar para revisar o componente.
  • Verifique sempre o manual do veículo onde constam os itens e períodos que devem ser revisados.
  • Só deixe seu veículo em oficinas que ofereçam qualidade e garantia nos serviços e tenham profissionais capacitados e treinados.
  • Certifique que a nova peça tem as características corretas de seu veículo e seja genuína dentro da recomendação do fabricante.
4out/111

Mineral, sintético, ou semi-sintético que óleo usar?

O lubrificante para aplicação nos motores de veículos tem a função de evitar o contato entre as superfícies metálicas e refrigerar o motor. Segundo a Petrobrás Distribuidora, o lubrificante é composto por óleos básicos e aditivos e a diferença entre ser mineral ou sintético está no processo de obtenção dos óleos básicos.

Os óleos minerais são obtidos da separação de componentes do petróleo, sendo uma mistura de vários compostos.

Os óleos sintéticos são obtidos por reação química, havendo assim maior controle em sua fabricação, permitindo a obtenção de vários tipos de cadeia molecular, com diferenças características físico-químicas e por isso são produtos mais puros.

Os óleos semi-sintéticos ou de base sintética, empregam mistura em proporções variáveis de básicos minerais e sintéticos, buscando reunir as melhores propriedades de cada tipo, associando a otimização de custo, uma vez que as matérias-primas sintéticas possuem custo muito elevado.
 
Dicas Caçula de Pneus:

  • Para saber qual é o lubrificante correto para seu veículo, consulte o "Manual do Proprietário" na parte de manutenção quanto à viscosidade (SAE) e ao desempenho (API).
  • A troca deve ser efetuada quando atingir o período recomendado pelo fabricante do veículo e que consta do "Manual do Proprietário"
  • Sempre ao trocar o óleo é recomendada a substituição do filtro de óleo para o correto funcionamento e proteção do motor.
  • Não é recomendado misturar óleos minerais com sintéticos, principalmente de marcas diferentes, nem mesmo para completar o nível.
  • Se o óleo mineral for substituído por sintético é importante trocar também o filtro de óleo junto com a primeira carga de sintético e trocar esta carga no período normal de troca do veículo em função da sua utilização.
  • Faça a troca de óleos em estabelecimentos que tenham profissionais treinados, que ofereçam qualidade nos produtos utilizados e segurança na prestação do serviço, e que destine corretamente os resíduos contribuindo com a preservação do meio ambiente.
16set/110

Cuide para não ficar na mão

Não espere o carro apresentar problemas para levá-lo à oficina. Examinar itens periodicamente elimina maiores gastos futuramente e até mesmo risco de acidente. Sistemas de freios, de suspensão, de arrefecimento, filtros de ar, óleo, combustível e correias são itens que devem ser examinados com frequência de acordo com o prescrito nos manuais dos fabricantes. Porém, mais importante do que estar atento à manutenção preventiva é saber deixar seu patrimônio nas mãos de oficinas de credibilidade com técnicos treinados e capacitados para executarem com qualidade e garantia os serviços. Com mais de 50 anos de experiência na prestação de serviços automotivos a Caçula de Pneus tem toda estrutura para executar esses e outros serviços. Vale a pena conferir.

14set/110

Clima seco pede maior cuidado com o ar condicionado

A manutenção do sistema de ar condicionado é essencial para a qualidade do ar no interior do veículo, pois sem os cuidados adequados o equipamento vira um criadouro de fungos e bactérias, que ao serem inalados podem comprometer a saúde do motorista e dos passageiros. Especializada em serviços automotivos a Caçula de Pneus destaca os cuidados necessários com a higienização desse sistema:

1. Limpeza periódica recomendada

 Filtros e dutos sujos são nocivos à saúde. O acúmulo de fungos e bactérias pode provocar ou acentuar problemas de alergia ou doenças respiratórias. Por isso é recomendado que se faça a higienização do sistema de ar condicionado com alguma frequência;

2. Faça a troca do filtro no mínimo 1 vez ao ano

A manutenção preventiva do sistema de ar condicionado do veículo prevê a troca do filtro de cabine todos os anos ou a cada 10 mil quilômetros;

3. Atenção também com a correia do compressor

Além da substituição do filtro é necessária a troca de correia do compressor para o correto funcionamento e a preservação do equipamento. Em geral a troca da correia é feita a partir dos 40 mil quilômetros.

6abr/110

O pneu furou, e agora?

Todo mundo passa por esse tipo de situação. Se está dirigindo e, do nada, começa a sentir o carro querendo sair de um lado para o outro. Depois, vem o característico som, e quando se para o carro percebe-se que o pneu está "no chão", ou seja... furado.

Então chega a temida hora de trocar o pneu. Para que o leitor não entre em apuros, aqui estão uma série de instruções a serem seguidas nestas situações. Tudo para que a troca aconteça da forma mais eficiente, rápida e, acima de tudo, o mais segura possível.

A primeira atitude ao se perceber um pneu furado é parar o carro em um local seguro fora da estrada. É importante que se faça isso de uma forma com que os outros motoristas percebam e entendam o que está acontecendo, a fim de evitar acidentes. Deixe a seta ligada o tempo todo.

Após ter parado o carro, verifique qual foi a roda atingida. Depois coloque o  triângulo a pelo menos 20 metros do veículo. Caso o carro esteja sem este sinalizador, vale colocar alguns pedaços de galhos, arbustos ou algo que chame a atenção dos outros motoristas para a situação.

De volta ao carro, ligue o pisca alerta e deixe o carro engatado, para evitar que haja uma eventual falha nos freios que possa provocar um acidente. Se possível, calce as rodas com pedras.

Agora mãos a obra
A primeira coisa a se fazer é garantir que se tenha todos os equipamentos necessários: macaco, chave de roda e estepe. Usando a chave de roda, afrouxe ligeiramente as porcas do pneu furado girando para a esquerda.

Em seguida, coloque o macaco ao lado do aro da roda. Carros novos costumam ter um local específico para sua utilização. Antes de levantar o carro, verifique se todas as etapas anteriores foram feitas corretamente. É importante também observar se o local é plano, para não correr o risco de derrubar o carro. Levante o carro na altura suficiente para colocar e retirar os pneus, mas sem exagero.

Agora termine de retirar as porcas frouxas e separe-as. Remova o pneu completamente e, caso ele seja reaproveitável, guarde-o no porta-malas ou no espaço destinado ao estepe. Pegue o pneu reserva, suspenda-o e encaixe no lugar do furado. Verifique se a roda está realmente encaixada e se está perpendicular ao chão.

Agora para apertar as porcas siga um padrão de cruz, a fim de evitar que o aro se deforme. Em outras palavras aperte a porca de cima, na sequência a de baixo e depois as outras duas.  Carro no chão, termine de apertar as porcas e não esqueça de guardar todos os equipamentos utilizados. Inclusive o triângulo.

Atenção
Alguns estepes são feitos para rodar em velocidades até 80 km/h e não mais que 200 km. Verifique se o pneu utilizado tem alguma especificação e fique atento para uma oficina mecânica especializada no assunto.

Não se esqueça que você pode comprar Pneus Pirelli na Caçula de Pneus, acesse: www.caculadepneus.com.br

Créditos: Dr. Pirelli /www.motordream.uol.com.br/

16mar/110

Etanol não é mais vantajoso na hora de abastecer seu carro em São Paulo.

A cidade de São Paulo registrou alta de 14,4% no etanol em fevereiro. A gasolina se manteve como a melhor opção de abastecimento na capital. Segundo o Índice de Preços Ticket Car (IPTC), bairros do Centro e da Zona Sul da capital paulista são os locais mais caros para abastecer com o derivado do petróleo, enquanto os consumidores das Zonas Oeste e Sul pagam valor mais elevado no etanol, R$ 1,94/l e R$ 1,90/l, respectivamente. Para os mesmos combustíveis, os preços mais atrativos estão em bairros das Zonas Norte e Leste. Por exemplo, o litro do etanol no Jardim Marilu pode ser encontrado a R$ 1,69/l e no Limão sai por R$ 1,71/l.

Com as alterações, as médias por litro em São Paulo são: gasolina R$ 2,51/l; etanol R$ 1,88/l; diesel R$ 2,05/l; biodiesel R$ 2,06/l e GNV R$ 1,33/m³.

Para quem tem veículo flex, a dica é fazer uma conta simples na hora de abastecer. “Divida o preço do etanol pelo da gasolina. Resultados inferiores ou até 70% dão vantagem para o combustível vegetal, mais que isso o derivado do petróleo é a melhor opção”, explica Eduardo Lopes, coordenador de Produto do Ticket Car. “Vale a pena lembrar que mesmo nos casos de vantagem econômica para a gasolina, o etanol é sempre ecologicamente mais indicado”, completa.

No Brasil, segundo levantamento da Ticket Car, não é mais vantajoso abastecer com etanol em nenhuma região. Confira no site da Auto Esporte a tabela feita a partir de dados colhidos junto aos mais de oito mil postos.

Clique aqui e confira a tabela.

Fonte: Auto Esporte

http://revistaautoesporte.globo.com/